19 fevereiro 2012

The Iron Lady


















Que Meryl Streep era uma atriz exímia, já eu sabia, mas nada me preparava para este papel. Além de a caracterização estar fantástica, a atriz está absolutamente irreconhecível: a voz, a forma de falar, de andar, de rir, os gestos, até o olhar. Meryl Streep é Margaret Thatcher, num retrato muito humano e forte, em que conhecemos um pouco mais dobre o que movia a Dama de Ferro. Um filme com planos magníficos, sobreposições de imagens extremamente bem conseguidas e uma imensa sensibilidade, mas sem exageros.
A não perder.

Primavera Explode Tour

O nome da tournée já dá uma pequena ideia do que se passou no Grande Auditório do CCB na passada quinta-feira, no concerto dos The Gift.

Um concerto dividido em duas partes: a primeira, que consistia na apresentação do novo álbum, calma, escura (mas não menos luminosa por isso), tranquila. A segunda, em que ouvimos músicas do álbum anterior, juntando uma ou outra de álbuns mais antigos (curiosamente, músicas de que tínhamos estado a falar momentos antes, as preferidas), criando um ambiente colorido, explosivo (como o nome indica) e uma energia magnífica. Conseguiram, entre conversas e risos, pôr o CCB todo de pé, quase sem exceção (nunca irei compreender como é possível ficar-se sentado neste tipo de concerto - eu já estava pronta para me levantar há muito!), emocionar, fazer rir, saltar, bater palmas minutos a fio, gritar. Sónia Tavares grávida de 7 meses e com uma energia invejável, duas horas e meia de canções magníficas, interpretadas sublimemente por 7 músicos que tudo nos deram.

Uma noite maravilhosa.






08 fevereiro 2012

Era uma vez...

Sempre fui apaixonada pela Disney e, consequentemente, pelas princesas que povoam as suas histórias. Ao tropeçar nisto pensei que o mundo, e alguns dos seus preconceitos, seriam bem diferentes se tivéssemos crescido com estas princesas. Quem não tivesse piercings e tatuagens seria olhado de lado e rotulado de imediato, como acontece ainda, em alguns sítios, com quem os tem. Mas depois penso que se estas fossem as princesas da nossa infância, o mais provável seria eu não ter nem piercings, nem tatuagens...


04 fevereiro 2012

Out with the old, in with the new.

Quem me conhece sabe que não sou de tecnologias, sobretudo no que toca a adquirir aparelhos novos. Tenho tendência a deixar que estes apodreçam, e só quando me morrem nas mãos os substituo, por um novo se tiver mesmo de ser, mas geralmente acabo por conseguir encontrar um sobrevivente de alguém algures que mo cede até ao dia em que eu decida comprar uma coisa como deve ser, o que raramente acontece. É por isso com orgulho que vos apresento a minha mais recente aquisição, com a qual ando a brincar há dias.

PS: Não estranhem se quando vos vir me puser a agitar freneticamente o aparelho à frente dos vossos olhos com gritinhos impercetíveis. Faz parte.


01 fevereiro 2012

Porto em imagens.














Ainda sinto em mim espelhadas as cores destes dias (que pareceram semanas).

A montanha mágica (e mais)

Quando me sentei na cadeira confortável do CCB, até comentei que por alguns segundos me tinha esquecido daquilo que tinha vindo ver. Depois deste concerto absolutamente derrubador, não há memória, por muito efémera que seja, que possa esquecer. Senti tudo dos pés à ponta dos cabelos, passaram-me mil e um pensamentos pela cabeça, amachuquei as minhas lágrimas e deixei-me transportar para um mundo em que tudo, de repente, se tornou estonteantemente belo. Uma experiência sensorial levada ao extremo. Há muito que não me sentia completa e totalmente arremessada contra mim. As minhas palavras não fazem o mínimo jus a tudo aquilo que acabou de me ser revelado. Tinha consciência de que iria assistir a um bom concerto, mas nada me tinha preparado para isto.